A corrupção nas prioridades

O Distrito Federal passa há muitos meses, por uma grande carência de valores: entre aquilo que é algo importante para a coletividade e aquilo que é importante para um pequeno grupo. Há, nessa inversão de valores, um esforço maior para determinadas áreas, como as obras e propagandas, deixando em planos marginalizados outras áreas, como a Educação, a Saúde, o Transporte Público e outros.


(Clique na foto para ver maior)

Esse tipo de prática é também uma prática de corrupção. A corrupção nas prioridades do governo para com seu povo. É corrupção construir um viaduto ou um super estádio de futebol, enquanto o caos nos hospitais se mantém (e até piora), enquanto tantos alunos estão sem aulas nas escolas e enquanto pegamos ônibus caindo aos pedaços e infestado de baratas. Sim, baratas, vejam por vocês mesmos:

httpv://www.youtube.com/watch?v=LCJhbC6pvDE

Não sou contra o estádio e a Copa no Brasil, muito pelo contrário. Mas a inversão de valores proposta pelo governo que propunha um Novo Caminho para o DF, se valendo do que é melhor para pequenos grupos poderosos ao invés de atender às demandas e esperanças da sociedade é algo inadmissível! É um crime com os cidadãos do Distrito Federal construir uma obra que está custeada em quase R$700 milhões de reais (sem contar gramado, fiação de internet e Tecnologia da Informação e outros detalhes, que ainda somarão outros milhões de reais à obra), enquanto pegamos ônibus com infestação de baratas e sofremos nas filas de hospitais, nas escolas e nas ruas, cada dia mais inseguras.


(Clique na foto para ver maior)


(Clique na foto para ver maior)


(Clique na foto para ver maior)

A capital do Brasil está cada dia mais perto de ser o grande exemplo para todo o Brasil, mas o exemplo de tudo errado. Este é o Velho Caminho, que continua a ser trilhado o nos levará a esta péssima posição: a capital da corrupção nas prioridades.


(Clique na foto para ver maior)

PS. Obrigado ao Lelê, grande amigo que me ajudou hoje e fez possível este post existir!

Me siga no Twitter!

Energia nuclear: o Brasil e o mundo em direções opostas

Ontem li uma nota no Blog do Noblat falando sobre o Brasil indo pela contra-mão mundial no que tange à energia nuclear. Vejam:

Brasil vai na contramão e amplia programa atômico

O Globo

No momento em que vários países decidem rever seus programas nucleares – segunda-feira, a Alemanha anunciou que vai desativar suas usinas até 2022 -, o Brasil toma a direção contrária e decide usar benefícios fiscais para estimular a ampliação de seu programa atômico.

Depois do acidente em Fukushima, no Japão, em março último, países como Suíça, Bélgica e China cancelaram ou suspenderam novas licenças para a construção de usinas.

Enquanto isso, o Brasil está construindo Angra 3 e a Câmara dos Deputados aprovou, semana passada, medida provisória que concede incentivos fiscais para compra de equipamentos a serem usados na geração nuclear.

A MP 517 ainda será votada no Senado. Além disso, o governo Dilma Rousseff deve manter a estratégia de mais quatro usinas até 2030, como previsto no Plano Nacional de Energia (PNE) 2030, hoje em revisão.

Ao lado de Angra 1, 2 e 3, as novas unidades dobrariam a fatia da fonte nuclear na geração de eletricidade, para 5%, informa a reportagem de Danielle Nogueira, Eliane Oliveira e Mônica Tavares.

É preocupante, depois da tragédia no Japão (em Fukushima), provocada por um terremoto de grandes proporções, que ainda pensemos em aumentar o uso desse tipo de energia. Em análise superficial, a produção causa poucos impactos e possui razoável custo-benefício. Entretanto, qualquer defeito, falha, desastre ou quaisquer tipos de imprevistos podem causar danos incomensuráveis e irreparáveis. É só ver o acontecido em 1986, na cidade ucraniana de Chernobyl, cidade que virou deserta depois do acidente na usina nuclear.

Ora, nosso país possui um extenso território, rico para a pesquisa e produção de diversos modais energéticos ecologicamente sustentáveis e renováveis, como luz solar e energia eólica, além do biodiesel e etanol. Até mesmo o pré-sal, sobre o qual tenho ressalvas, é menos perigoso do que uma novas fontes de produção de energia  nuclear, que podem alterar a vida de grande parte do país. Tendo esta preocupação, alguns meses atrás escrevi um pequeno artigo sobre o Senador Cristovam e sua preocupação que vinha sendo evidenciada a respeito da energia nuclear. Espero que gostem:

O Senador Cristovam Buarque e a energia nuclear (21/03/2011)

O terrível terremoto (e tsunami) que abalou o Japão e sua população, um dos mais fortes tremores da História, já é considerado o desastre natural financeiramente mais caro do mundo, podendo chegar a custar US$ 250 bilhões para a Economia japonesa. Há ainda a iminente ameaça de uma tragédia atômica naquele país. As estruturas de algumas usinas nucleares foram severamente prejudicadas e já há relatos de aumentos significativos do nível de radiação na cidade de Fukushima e até de contaminação de fontes de alimentos e água.


Cristovam em Chernobyl

O Senador Cristovam Buarque iniciou no Twitter uma grande discussão sobre o uso da energia nuclear, considerando esses graves problemas no Japão, bem como outros tristes episódios ocorridos, como o desastre em Chernobyl (Ucrânia), em 1986 e o envenenamento por Césio-137, em 1987 em Goiânia, que atingiu milhares de pessoas direta e indiretamente.

Cristovam chegou a sugerir um plebiscito mundial, via internet, sobre o uso de energia nuclear. Ainda em seu Twitter, ele disse “Além do Edgar Morin, propus também a Daniel Cohn-Bendit liderar o plebiscito mundial sobre uso da energia nuclear”. Edgard Morin é considerado um dos principais pensadores contemporâneos, antropólogo, sociólogo e filósofo francês. Daniel Cohn-Bendit é um político francês, de origem alemã, deputado europeu e co-presidente do grupo parlamentar Grupo dos Verdes/Aliança Livre Européia.

Me siga no Twitter!

Entrevista para o Campus UnB

Ontem concedi entrevista para o Wemerson Fraga, que foi publicada hoje no jornal Campus UnB (versão online). Novamente, falo sobre o Politeia, que já está com as inscrições quase lotadas para deputados e já lotadas (com lista de espera) para jornalistas, sua importância como simulação e impacto na realidade. Abaixo deixo algumas passagens e no link, a matéria completa!

Simulação do Congresso Nacional acontecerá no mês de junho

Participante do evento pela terceira vez e presidente da Câmara dos Deputados no POLITEIA 2010, o graduado em relações internacionais André Dutra é um entusiasta do Projeto. “É diferente das simulações da ONU porque você não trata de uma realidade alheia, mas da sua própria. No POLITEIA, discutimos os problemas cotidianos do país”, diz. Dutra, inclusive, investe em carreira política real e se candidatou a deputado distrital nas eleições de 2010, pelo PDT do Distrito Federal.

História

Foto: Elisa Chagas / Divulgação POLITEIA

DSC_0215

André Dutra e outros participantes na simulação de 2010

O POLITEIA surgiu em 2003, por iniciativa de estudantes do Instituto de Ciência Política (IPol) da UnB que procuravam conhecimentos práticos sobre o processo legislativo. Depois de um período de interrupção, o projeto foi relançado em 2008. A intenção é educar os participantes para a política. “O POLITEIA trouxe conhecimento sobre os processos legislativos, me esclareceu como é viver o papel do deputado, o que ajuda até a exigir mais dos parlamentares reais”, afirma o participante André Dutra.

Me siga no Twitter!

POLITEIA – Simulação da Câmara dos Deputados abrirá inscrições para sua 5ª edição

Pessoal, mais uma vez chegou hora de vestir o terno, o tailleur ou seja lá que roupa formal você prefira, afiar o discurso, preparar seu projeto de Lei e assumir o papel de um(a) deputado(a) por alguns dias! É o Politeia, evento de simulação da Câmara dos Deputados em que participei por duas vezes: a primeira em 2009 e a outra em 2010, quando fui Presidente da Câmara! Já falei aqui antes o tanto que é legal esta experiência. Ensina demais sobre o processo legislativo aos participantes, bem como dá um gostinho sobre como é ter um mandato. Acho que deveria ser filmado e passado aos Deputados de verdade, pois é uma verdadeira aula de comprometimento e democracia, aliados à competência e defesa ideológica dos participantes! Estudantes de qualquer curso de graduação, pós-graduação e recém-graduados podem participar!


Líderes dos Partidos Simulados e eu, como Presidente (2010)

AH, não posso esquecer de uma das coisas mais legais! Também há simulação do Comitê de Imprensa, exclusivo a alunos de Comunicação. Nos dias de simulação, a imprensa funciona normalmente, colhendo depoismentos, fazendo entrevistas, coletivas, tirando fotos, enfim, cobrindo todo o evento. E há também um jornal impresso por dia, compilando tudo o que acontece nos corredores do poder!


Presidindo a sessão (2010)


Votação em Plenário (2010)

Vejam abaixo as informações completas, se inscrevam e participem! É a hora de treinar para, quando estivermos lá, subvertermos as práticas  usadas por vários desses malas eleitos, que tanto odiamos!

O POLITEIA é a simulação da Câmara dos Deputados destinada a universitários com interesse no processo legislativo brasileiro.

Durante o evento, que acontecerá de 22 a 26 de junho, estudantes de quaisquer áreas poderão atuar como deputados. O participante irá elaborar, discutir e votar projetos de lei no Congresso Nacional.

Nesta edição serão simulados seis partidos e sete comissões que ficam a escolha do participante.

Já aqueles que estudam Comunicação Social poderão atuar como repórteres e produzir um jornal diário e um site de notícias, vivenciando o dia-a-dia da cobertura política em Brasília.

São 120 vagas para deputados e 10 para repórteres. Os inscritos ainda vão contar com treinamento durante preparação.

As inscrições vão de 10 a 20 de maio, no valor de R$ 90,00 na FA, prédio do Instituto de Ciência Política, no Campus Darcy Ribeiro da UnB ou pelo site www.politeiaunb.com.br. Para participar, basta apresentar identidade original e o comprovante de matrícula em curso de Comunicação, no caso da inscrição para repórter, além da ficha de inscrição preenchida. Para os alunos que comprovarem ser de baixa renda, haverá 7 vagas (5%do total) destinadas aqueles que apresentarem comprovantes de suas respectivas instituições.

POLITEIA é a simulação da Câmara dos Deputados destinada a universitários de qualquer nível ou recém-formados.

Durante o evento, você poderá criar, discutir e votar projetos de lei em seis comissões e no Plenário, assumindo o papel de parlamentar de um dos sete maiores partidos da Câmara.

Estudantes de Comunicação podem ainda simular o cotidiano de jornalistas políticos e produzir um jornal diário e um site de notícias.

Podem participar estudantes de graduação, pós-graduação e recém-formados em qualquer curso superior reconhecido pelo MEC.

Inscreva-se de 10 a 20 de Maio na FA/UnB ou pelo site www.politeiaunb.com – Valor: R$ 90,00

Partidos simulados: PT, PMDB, PSDB, PP, DEM, PR, PSB

Comissões:

– Constituição, Justiça e Cidadania;

– Defesa do Consumidor;

– Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado;

– Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável;

– Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural;

– Administração, Trabalho e Serviço Público.

AGENDA

Treinamento e Convenções Partidárias – 21 e 22 de maio, na FA/UnB

Cerimônia de Abertura e Posse – 22 de junho, no Campus Darcy Ribeiro/UnB

Simulação – de 23 a 26 de junho, na Câmara dos Deputados

PARTICIPE!

Realização:

Projeto POLITEIA

Instituto de Ciência Política (IPol/UnB)

Câmara dos Deputados

Mais informações:

Pelo site oficial, Twitter, Formspring ou pelo e-mail contato@politeiaunb.com

Espero vê-los lá!

Me siga no Twitter!

Entrevista concedida à Elisa Chagas

Estou com alguns materiais ainda pendentes para publicação aqui no blog. Hoje deixo aqui a íntegra da entrevista que concedi à Elisa Chagas, estudante de jornalismo do UniCEUB. Ainda fico devendo o áudio e a matéria da entrevista que concedi ao Filipe Marques. Espero que gostem!

1. Idade e Partido?

25 anos, Partido Democrático Trabalhista – PDT.

2. Com que idade entrou para a política? O que te motivou?

Desde que me entendo por gente, já agia politicamente. Fui cara pintada contra Collor em 92, aos 6 anos, nos ombros da minha mãe. Na escola, desde o Ensino Fundamental, passando pelo 2º ano e até o fim da faculdade, fui sempre representante de turma. Curiosamente nunca fui de Grêmios e CA, era sempre oposição. Para a política partidária, entrei em 2008, com 22 anos.

Minha maior motivação sempre foi combater a desigualdade sócio-econômica. Não venho de família rica, nem tradicional da política. A busca pela melhoria do que era realidade para mim (escola pública, transporte público, moradia, saúde pública e até direitos civis) foi o que me mostrou que a luta política era a que detinha mais poder de transformação da realidade para uma realidade socialmente mais justa.

3. Por que logo a política, tão famosa pela corrupção?

A política, como disse antes, é a ferramenta mais eficaz de mudança da sociedade para uma vida mais justa. A busca que vejo que a política propicia pela justiça social e igualdade de oportunidade para todos é o que me motiva e legitima minha paixão pelo tema.

O grande problema é que hoje, no Brasil e em alguns outros países, temos uma inversão de valores. Conhecemos a politicagem e não a Política, com P maiúsculo. Nos chateamos pela corrupção, sujeira e más práticas e acabamos com as vistas embaçadas para o que as boas práticas nessa área podem fazer para mudar vidas das pessoas que mais precisam do Estado. É coerente uma pessoa de bem pensa “não vou entrar nesse antro, onde se tem uma corja de corruptos e ladrões”. É coerente querer ficar fora da lama. Porém, é ao mesmo tempo um grande erro, pois no que tange à política, nunca haverá espaços vagos. E uma vez que as pessoas de bem, de caráter e compromisso social deixam de se envolver nos assuntos políticos e de Estado, o espaço será obrigatoriamente ocupado pelas ratazanas do poder, pelos corruptos e de interesses escusos. Eu tenho a certeza de que estou desempenhando meu papel e essa vitória ninguém me tira: parto do princípio de que, se não fosse eu, seria alguém pior que eu.

4. Como foi liderar o movimento “Fora Sarney”?

O movimento foi um clamor social, popular e que teve grande repercussão e participação principalmente por parte dos jovens. Não me considero líder do movimento, mas uma das pessoas que não mediu energias e fez tudo o que estava a seu alcance para chamar atenção da sociedade para os desmandos e coronelismo do Senador Sarney. Foi isso que me motivou e a mais alguns colegas de manifestação a criar um grupo que pautou várias vezes a discussão sobre o Fora Sarney, com manifestações que chamávamos de “atos secretos” (parodiando os Atos Secretos do Senado), culminando com nossa prisão no Senado. Ainda há efeitos na minha vida daquela época. Até hoje não posso entrar no Senado sem a autorização da Polícia do Senado e estou buscando meus direitos para que essa violência a direitos como o de ir e vir e de liberdade de expressão seja definitivamente cortado. Hoje é comigo, amanhã não sei com quem pode ser.

No mais, foi um grande aprendizado. Vi como a mídia pautava as manifestações das mais diferentes formas, senti um pouco do que é a repressão raivosa de entes que há décadas atrás reprimiam pensamentos contrários a bala e não a tapas e pontapés (como levei) e por aí vai. Faria tudo de novo, pois além de legal foi uma atitude moral de nossa parte.

5. Como foi ser “preso” no Senado?

Senti tudo que acredito, todos meus direitos e a Constituição violentados. Nunca imaginei ser preso por falar o que penso e, pior, sendo algo legítimo, discutido amplamente pela sociedade, divulgado nos grandes veículos de comunicação, na internet e no próprio plenário do Senado. Vi ali o que é a prática política de velhas raposas que não soltam o osso do poder. Senti a dificuldade extrema que seria suplantar e modificar o sistema que vigora hoje na política brasileira, como é difícil renovar caras, práticas e ideologias políticas.

Nunca havia estado naquela micro-sala do subsolo do Senado. No início foi aterrorizante, apesar de eu sempre manter a calma. Fomos chantageados e ameaçados até a chegada dos Senadores Cristovam Buarque (PDT-DF), José Nery (PSOL-PA), Valter Pereira (PMDB-MT) e Eduardo Suplicy (PT-SP) e, posteriormente, da Deputada Janete Capiberibe (PSB-AP), que ficaram conosco até sermos liberados daquela situação.

Ali vi, de fato, que o poder público vem sendo usado para interesses privados em vários âmbitos já há tempo demais no Brasil.

6. Que experiência levou da eleição passada? Pretende se candidatar novamente?

Foi uma experiência que eu adoraria dividir com todo mundo que conheço. Se fosse possível, queria que todo brasileiro e brasileira pudesse participar ao menos uma vez de uma campanha eleitoral. Claro, se as coisas fossem mais igualitárias, com campanhas mais justas, menos embasadas em poderio econômico e mais voltadas às ideias e propostas dos candidatos.

Aprendi demais e não há dinheiro que compre esse tipo de conhecimento e de experiência. Conversei com pessoas de todo tipo, visitei lugares que não imaginava visitar, pude estar muito mais perto de pessoas que admiro no mundo da política, como o Senador Cristovam e principalmente, levei o que penso para que as pessoas julgassem.

As dificuldades, entretanto são gigantes. Partido que não ajudou em nada na campanha, principalmente pelo fato de termos um Presidente à época que era candidato e “se auto priorizou” em detrimento dos outros; o fato de eu não ter poderio econômico para bancar uma campanha com material, serviços e recursos humanos abundantes (muito material acabou sobrando, pois não consegui distribuir tudo); a própria desconfiança das pessoas com qualquer coisa que se trate de política e por aí vai.

Entretanto, mostrei ser possível impactar a política com pouco. Era o candidato mais novo do meu partido, quase sem dinheiro e mesmo assim tive uma votação relativamente expressiva pautada por ideias e propostas. A experiência adquirida é tão extensa, que poderia ficar falando e escrevendo horas sobre isso!

E sim, pretendo me candidatar, novamente, com absoluta certeza!

7. Quais são os seus projetos atuais? Alguma coisa relacionada à política?

Minhas ambições continuam no sentido de renovar a cara da política no DF, que continua a mesma coisa de antes. Não tenho ambição por cargos ou status, mas quero compartilhar com as pessoas as coisas que aprendi na campanha e nesse processo e continuar a caminhada rumo a esse sonho de transformar a vida da população por meio das minhas ideias e ações.

Ultimamente tenho trabalhado na assessoria da Secretaria de Trabalho do DF (sou concursado do Metrô-DF e fui cedido para a SETRAB), onde estamos desempenhando um grande papel para a mudança social no Distrito Federal, buscando gerar oportunidades de emprego para as pessoas que estão em áreas de risco social, jovens em conflito com e Lei e pessoas em situação prisional e egressos desse sistema, por meio de qualificação profissional e intermediação de mão-de-obra. Além do meu trabalho assalariado, ultimamente estou me especializando em Gestão Pública, para me capacitar ainda mais sobre as coisas da Máquina Pública e da Administração, de forma a me tornar uma pessoa mais preparada para exercer um cargo eletivo.

Por último, sou professor voluntário na minha antiga escola de Ensino Médio e ministro uma oficina sobre Política, conscientização social, falando de ética, cidadania, pensamento crítico, ação social e outros temas, para alunos do 2º e 3º anos. Além das aulas, desenvolvi e ministro palestra sobre o mesmo tema da Oficina e também palestra para Estudantes de Relações Internacionais sobre a importância da participação da política pelo formado no curso. Também pretendo tocar mais alguns projetos pessoais e em grupo, mas que a falta de tempo ainda não me deixam realizar.

8. Como avalia os jovens? Alienados? Sem interesse por política?

Avalio como uma parcela da sociedade extremamente faminta por poder agir, mas em parte desmotivada e em parte sem conhecimentos sobre o tema, ou ambos. Como falei anteriormente, a Política hoje é vista num papel distorcido, o que afasta os jovens (a maioria dos que estão no poder são pessoas já velhas, que estão lá há décadas) e a falta de conhecimento do funcionamento das instituições e estruturas levam a esse afastamento. É, inclusive, de interesse de grande parte dos medalhões políticos que esses jovens não tenham acesso à informação, dificultando a renovação política e perpetuando-os e suas família no poder.

Porém, ao iniciar as aulas da minha oficina, vi que os jovens só precisam ser provocados. No Fora Sarney, não conseguimos fazer uma provocação eficaz a ponto de tirar milhares de pessoas de seus computadores, mas já foi um passo. Os jovens querem participar, mas estão em um enorme quarto escuro, desconhecido e com poucos e fracos pontos luminosos, muitos que acabam apagando rapidamente. Precisamos encher esse quarto de luz, que é simplesmente conhecida como Educação. Hoje temos um sistema precário de ensino e não de Educação, que trata o estudante como aluno autômato e não o prepara como cidadão. Precisamos de uma revolução na e da Educação no Brasil.

9. Todos os políticos dizem que vão ser diferentes, mas a maioria acaba sendo igual após eleito. Qual é o seu diferencial?

Essa é uma pergunta que se escuta com muita frequência. Eu tenho um objetivo: buscar justiça social e igualdade de oportunidades. Essa busca não é pra mim, é para que não só as pessoas tenham uma vida melhor, mas para que o Brasil se desenvolva e ocupe o lugar que pertence no Sistema Internacional, como a potência que deveria ser.

Meu diferencial é pautar minha vida política nas ideias e propostas tangíveis e na busca por mostrar para pessoas mais jovens que é possível participar da Política sem se corromper. Vou além: é necessário e um gesto de patriotismo participar da vida política de forma socialmente compromissada e ética (isso é o básico). Um exemplo simples é que hoje recebo um salário por volta de 15 (quinze) vezes menor que o de um deputado distrital. Mesmo para uma cidade de altíssimo custo de vida, não passo necessidades básicas. E o serviço público não existe para enriquecer ninguém, quem quer isto que vá para o setor privado, invista no empreendedorismo.

Por último, pontuo como diferencial minha experiência de vida e o fato de eu ser produto da Educação. Vivi situações que não desejo que outros cidadãos vivenciem. Se eu já me incomodo com o que vivi, imagine aqueles que vivem na pobreza e na miséria, abaixo da linha da pobreza? Não é digno, não é humano e não é aceitável que tenhamos isto em nosso país. Diferencio-me por querer que o mais pobre e o mais rico tenham possibilidade de serem o que quiserem, por meio de seus próprios méritos. Assim como eu e qualquer pessoa deveria ter a mesma chance de ser eleito que outros que gastam milhões em campanhas, mais do que receberão de salário nos 4 (quatro) anos de mandato.

10. Como garante que se entrar para a política não vai entrar nos “esquemas” existentes? (Não necessariamente corrupção)

Aprendi que se deve negociar, mas não se negocia com princípios. Meus princípios não mudam. O foco deve ser o trabalho para a mudança social, servir o povo, legislar pelo povo e para o povo. Quem pensa assim e trabalha assim não tem tempo pra perder com esqueminhas e negociatas, muito menos perfil pra se corromper. A visão é muito além dos ganhos pessoais, pois se você melhora a sociedade como um todo, é vantagem até para o mais rico, que terá mais segurança, maior qualidade de vida e conforto.

Deve se ter um lastro de negociação, saber ceder no que é possível, firmar pulso no que é necessário e, o mais difícil, tomar decisões certas nas horas certas. Isso é o que diferencia um político medíocre de um Estadista, “raça” em extinção no Brasil.

11. Como acha que podemos mudar a imagem do Congresso?

Mudando as caras que o preenchem. Para isso, só com uma grande revolução na Educação, com um pacto social e político que direcione o país para onde queremos que esteja em 50 anos. A pergunta que os políticos deveriam fazer para si mesmos deveria ser: que herança social quero deixar para meu país quando eu morrer? Hoje eles se perguntam a cifra da herança que vão deixar para os parentes e a herança política de continuidade no poder para os filhos e apadrinhados.

Isso acontecerá com a mudança de paradigma na Educação Brasileira. Hoje temos um sistema que prioriza o ensino (e olhe lá) e não a educação e formação do cidadão como tal. A mudança do Congresso deve começar pelo povo, mas não é interessante que isso aconteça por parte de quem já está no poder. Então essa mudança deve começar com focos de subversão do atual tipo de administração e política, pessoas que se comprometam com o futuro do país e da sociedade e que sejam foco dessa mudança, seja por meio da luta social, política, com voluntariado, ações pessoais, entre vários outros tipos de contribuições à sociedade que cada pessoa pode dar. O que posso fazer para minha antiga escola? Como posso melhorar meu trabalho? Como posso ser um agente de mudança social? Essas e várias outras perguntas podem trazer respostas para esta pergunta proposta e muitas outras. Afinal, se outros países saem de ditaduras (como nós saímos) e mudam regimes, impactam a vida da sociedade (como a Coréia do Sul em 50 anos), por que nós no Brasil não podemos conseguir isso em uma sociedade que tem como preceitos o Estado Democrático e de Direito, a liberdade de expressão e tantos outros direitos garantidos pela Constituição, a Carta Magna?

Precisamos, sim, da revolução na Educação.

É isso aí!

Me siga no Twitter!

Responde Aí! com André Dutra – 1º Entrevistado: Deputado Rollemberg

Aí está o projeto piloto do programa de perguntas e respostas com políticos de Brasília (e mais à frente do Brasil) que consiste em fazer uma conversa que envolve política, juventude e Brasília, no formato de um bate-papo, para discutirmos nossa cidade, alguns problemas e soluções e chamar os jovens para terem atenção pra política (ainda mais em ano eleitoral)! O programa se se chama “Responde Aí”. A idéia surgiu assim: há muito tempo que me sinto incomodado com tudo o que acontece no cenário político brasiliense e brasileiro e resolvi incomodar um pouco, também. Ainda acredito que há lideranças importantíssimas no poder. Gostaria de fazer uma ponte não-jornalística entre essas personalidades e as pessoas, principalmente os jovens. Nada melhor do que a internet! Usando o Twitter (meu e do entrevistado), colocamos com alguns dias de antecedência que a entrevista acontecerá, mobilizando o pessoal para que participe enviando perguntas. Para facilitar, foi criada a tag #RespondeAiConvidado. E o nosso primeiro foi o Deputado Federal pelo PSB-DF, Rodrigo Rollemberg.

O resultado está aí embaixo, espero que gostem. Agradeço a tod@s envolvid@s direta e indiretamente para que a idéia tomasse forma.  Pedro Camargo, Léo Bijos e Rodrigo Marcha por colocarem a mão na massa. Obrigado ao Deputado Rollemberg e à sua assessoria, em nome de Liane, Cyntia e Tarciso, pela boa vontade e delicadeza e ao pessoal do Twitter que enviou mensagem e ajudou a divulgar o projeto.

Quero lembrar que NÃO SOU JORNALISTA e nem entrevistador. Hahahaha. Riam, se divirtam e, acima de tudo, espero que se informem e se indignem. Vamos mudar a cara da nossa cidade! Responde Aí Rollemberg!

Parte 1
httpv://www.youtube.com/watch?v=fARlvSCVRvw

Parte2
httpv://www.youtube.com/watch?v=TeMYCARxfaQ

Esperem a próxima entrevista, feita com o Senador Cristovam, do PDT-DF! Acessem o canal do Responde Aí no YouTube e mandem perguntas, críticas, sugestões e demais comentários.

Me siga no Twitter!

Enxurrada de crack em Brasília. No centro da cidade, cracolândias à luz do dia.

Olha, eu nem vou me prolongar muito neste post. Tem mais de um ano que eu venho tentando falar sobre o problema do crack em todo Brasil e mais especificamente em Brasília, cidade que nasci, fui criado, sempre morei e AMO!

Um ano… eu, pessoa comum. Alertado pela namorada, por amigos meus e dela, estudei um pouco mais, fui atrás de informação e fiquei alarmado com aquilo que vi. Relatei tudo aqui, primeiro em 16 de janeiro de 2009. Falava justamente da onda de crack que vinha entrando na cidade e que era consumida no centro do poder, como falou a reportagem do Fantástico exibida no último domingo, 28/03/2010. Já no final daquele ano, no dia 08 de dezembro de 2009 voltei a falar sobre o crack e sobre a saúde mental no Brasil. Desta vez a coisa estava pior, alastrou-se por todo Brasil e chegou a ser tma de calorosa discussão ao vivo no Jornal Nacional (vídeo e informações no link aí atrás). Sabe o que as autoridades públicas do DF e do Brasil fizeram? Pelo visto, NADA.

Juro que domingo, durante e depois da reportagem do Fantástico (colocarei logo abaixo), me deu uma tristeza… não que eu não soubesse dos fatos, mas eu vi ali na telinha. Todo Brasil viu ali na telinha. Crianças, adolescentes, adultos… pobres ou não. Ignorados. Fantasmas à margem da sociedade. Consumindo crack de frente para um dos mais bonitos cartões postais da cidade: a Esplanada dos Ministérios e o Congresso Nacional. Vejam:

httpv://www.youtube.com/watch?v=AB8126e1V_w

No ano passado, do total de atendimentos de dependentes químicos na saúde pública do DF, apenas 0,2% usava crack. Somente nos dois primeiros meses deste ano, o percentual saltou para 27%.

Não canso de repetir: EU AMO ESSA CIDADE! Eu cresci andando livremente, desde meus onze anos andando por aí de skate…. da Asa Norte à Asa Sul, em Taguatinga, no Cruzeiro (onde resido hoje) e só me importava com as manobras. Claro que havia violência, mas era contida e até combatida. As circunstâncias da vida moderna fizeram grande maioria das “crianças da quadra” sumirem de “debaixo do bloco” (tipicamente brasiliense). O individualismo da tecnologia, que une online, mas separa das brincadeiras coletivas em consonância com a crescente violência, tráfico e outros males urbanos descaracterizou a infância em Brasília. E hoje não se pode sair do trabalho um pouco mais tarde no Setor Comercial Sul/Norte, no Setor Bancário (já viram a iluminação lá? Claro que não, pois não dá pra enxergar nada com a ausência dela), CONIC etc, etc.

Depois dessa reportagem não vi NENHUM comentário de políticos e/ou “autoridades” da cidade comentando. NENHUM, nem aqueles que admiro, vale dizer. Na verdade, NUNCA OUVI NENHUM POLÍTICO DE BRASÍLIA falando seriamente sobre o assunto, com propostas, com vontade de investir dinheiro e suor para melhorar a situação da população e da cidade.
Aí eu pergunto uma coisa: como o DF tem o FUNDO CONSTITUCIONAL e temos dos piores sistemas de saúde e saúde mental do Brasil, educação aos frangalhos e  total INsegurança a qualquer hora do dia, em qualquer lugar da cidade? CHEGA, CHEGA!

Brasília envergonha seus cidadãos sendo cenário de corrupção e descaso c/ saúde pública, educação e segurança. Até quando? É necessário atacar crack com políticas públicas integradas nessas áreas (segurança, saúde e educação). CRACOLÂNDIAS em Brasília? Agradeçam Roriz/Arruda!

Quero finalizar com o relato da psicanalista Janete K. Pinheiro, contido na reportagem do Fantástico, que exprime a realidade e como estmos sendo omissos a ela (nós, a mídia – que agora vem alardeando mais – e as autoridades públicas incompetentes, interesseiras e repugnantes desse país e dessa cidade:

“Todo mundo se une, entende? Pro combate à dengue, pro combate à gripe… agora, dá um passeio lá no Setor Comercial Sul. Vê o tamanho das crianças que estão fumando crack. Entendeu? E cadê…?” Ela continua mais à frente “Daqui a pouco é seu filho, meu neto… daqui a pouco a sociedade toda tá com um cachimbo na mão. E aí, fizemos o que no momento em que podia ser feito alguma coisa?”

Claro que a coisa já beira o caos. Afinal a droga deixou há muito de ser “coisa de pobre” e vem afetando a cada dia uma família a mais das classes média e alta. Mesmo assim, os governantes andam a passos de tartaruga. Um bom começo é um site mal e porcamente difundido (achei por acaso) que clama de cara: NUNCA EXPERIMENTE O CRACK (Clique e acesse).

Pois é… Hoje quando passava de carro, já de noite, pela rodoviária/CONIC vi PM’s abordando várias pessoas. Semana que vem, volta tudo ao “normal”, sem fiscalização, sem combate integrado à droga e ao tráfico, sem planejamento… enfim, sem interesse nenhum em melhorar nada. Enquanto não for o filho de um juiz ou de um político (e tenho certeza que tem muito viciado em crack na “alta sociedade”), a sociedade vai afundando! E Brasília, jovem que nem completou seus 50 anos, vai cavando a própria cova.

Obrigado, corruptos. Obrigado por destruirem a cidade que amo.

Me siga no Twitter!

Trabalho escravo no Brasil, uma triste realidade

Mês passado, a convite do Senador José Nery (PSOL-PA), participei de uma sessão do Senado que tratava da 1ª Semana de Combate ao Trabalho Escravo. Essa ainda é uma atividade que acontece em vários locais do Brasil e não apenas nos rincões mais distantes.

O senador José Nery (PSOL-PA) anunciou a criação da Frente Parlamentar Mista pela Erradicação do Trabalho Escravo. Em pronunciamento na sessão do Senado que marcou o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo, realizada nesta quarta-feira (10), o parlamentar informou que a frente já nasce com a participação de 195 deputados federais e 55 senadores.

Autor do requerimento para a sessão especial e também do PLS 71/07, que originou a lei que cria a semana e o dia de combate ao trabalho escravo (Lei 12.064/09), o parlamentar afirmou que nada há para ser celebrado ou comemorado, uma vez que não se tem constatado a redução do trabalho escravo. Para ele, o Dia Nacional, em 28 de janeiro, deve ser usado para lembrar as diversas iniciativas de combate a esse “crime gravíssimo”.

A sessão especial se realiza 13 dias após a data em que se comemora o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo, em 28 de janeiro. Nessa data, em 2004, três auditores do trabalho e o motorista que os conduzia foram mortos numa emboscada em Unaí, no noroeste de Minas Gerais, quando investigavam denúncias de escravidão nas fazendas da região, razão pela qual a data foi escolhida para o enfrentamento do problema. (Link completo com todas as informações, clique aqui)


Saudações (Clique na imagem para ver maior)

Para ouvir o discurso do requerente da sessão, Senador Nery:

Links para baixar o discurso: [wpaudio url=”http://download680.mediafire.com/y2tlfm5dettg/ownogmmymqm/Senado+Multim+dia.mp3″ text=”Discurso Parte 1″ dl=”http://download680.mediafire.com/y2tlfm5dettg/ownogmmymqm/Senado+Multim+dia.mp3″] [wpaudio url=”http://download730.mediafire.com/osn0k1ml6zxg/njymyy1njny/Senado+Multim+dia2.mp3″ text=”Discurso Parte 2″ dl=”http://download730.mediafire.com/osn0k1ml6zxg/njymyy1njny/Senado+Multim+dia2.mp3″]

Coloco este post hoje, pois foi veiculado nacionalmente o escândalo do trabalho escravo de imigrantes bolivianos na rede de lojas Marisa!

Escravidão de imigrantes é flagrada em oficina ligada à Marisa

Etapas do processo desde o aliciamento até as lojas do magazine foram apuradas pela Superintendência Regional do Trabalho e Emprego de São Paulo (SRTE-SP), que aplicou 43 autos de infração, com passivo total de R$ 633,6 mil – Por Maurício Hashizume*

São Paulo (SP) – A ligação entre o trabalho escravo de imigrantes sul-americanos e a Marisa, uma das maiores redes varejistas do país, foi atestada por um novo rastreamento de cadeia produtiva do setor de confecções.

Etapas do processo que se inicia no aliciamento e termina nas lojas do grande magazine foram apuradas pela Superintendência Regional do Trabalho e Emprego de São Paulo (SRTE-SP), que responsabiliza a Marisa em 43 autos de infração, com passivos da ordem de R$ 633,6 mil – dos quais R$ 394 mil se referem à sonegação do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS). Os auditores exigem também que a empresa faça o registro dos envolvidos, promova a rescisão indireta e pague os direitos correspondentes.

O ponto de partida foi uma operação fiscal da SRTE-SP realizada no último dia 18 de fevereiro, que inspecionou todas as instalações de uma pequena oficina de costura registrada como Indústria de Comércio e Roupas CSV Ltda., em nome do boliviano Valboa Febrero Gusmán.

No sobrado da Igreja “Boas Novas de Alegria” localizado na Vila Nova Cachoeirinha, Zona Norte da capital paulista, a fiscalização encontrou 16 pessoas de nacionalidade boliviana (uma delas com menos de 18 anos) e um jovem peruano trabalhando em condições análogas à escravidão na fabricação de peças de vestuário feminino para a Marisa, que se apresenta como “a maior rede de lojas femininas do país”.

Um absurdo! Que a luta contra o trabalho escravo, trabalho infantil e demais tipos de trabalho que apresentem condições insalubres para a vida humana seja amplamente combatida e penalizada!

[wpaudio url="http://url" text="Artist - Song" dl="0"]

Me siga no Twitter!

A Copa do Mundo, as Olimpíadas e o futuro do Brasil

ATUALIZAÇÃO: Este post foi gentilmente lido pelo Sr. Presidente Luciano Cabral, da Confederação Brasileira do Desporto Universitário – CBDU, que divulgou no side da Confederação meu artigo. Fico feliz e grato, também me colocando ao dispor para maiores eventualidades e possíveis contribuições para com a CBDU. Leiam lá também!

Ontem terminaram as Olimpíadas de Inverno de Vancouver. A festa de encerramento foi sensacional! Apesar do evento em si ter apresentado alguns problemas (sendo o mais trágico a morte do georgiano Nodar Kumaritashvili, na pista de luge, skeleton e bobsled), o saldo foi altamente positivo.

O Brasil será palco da Copa do Mundo da FIFA em 2014 (no dia 31 de maio de 2009 foram anunciadas as sedes oficiais da Copa – Belo Horizonte, Brasília, Cuiabá, Curitiba, Fortaleza, Porto Alegre, Recife, Rio de Janeiro, Salvador, São Paulo, Manaus e Natal) e das Olimpíadas de 2016, no Rio de Janeiro (anunciado em 02 de outubro de 2009, em Copenhague, na Dinamarca). Respectivamente, são 4 e 6 anos de antecedência para que o Brasil arrume a casa e não passe vexame nos eventos que trazem não apenas ganhos econômicos para o país, mas puxam a atenção de bilhões de espectadores em todo o mundo.

httpv://www.youtube.com/watch?v=Z00jjc-WtZI&feature=player_embedded

Venho aqui expor minhas ressalvas, esperanças, críticas, sugestões, dúvidas e demais comentários sobre nosso futuro de país e esporte. Lembro, também, que tanto 2014 quanto 2016 serão anos eleitorais, apenas diferenciando-se pelo primeiro ser a nível nacional e o segundo, municipal. Será que isso pode interferir crucialmente no andamento dos planejamentos, obras e demais ações de melhoria social, política e esportiva nos eventos? Creio que sim, mas espero que não. Esse ano de 2010 é marco divisor e influente lá pra frente. Os líderes de agora farão todas as bases daquilo que veremos mais à frente.

Uma das minhas maiores preocupações é a questão logística-estrutural brasileira. Para a Copa no Brasil em 2014, é exigido uma ampla gama de meios de transporte e infra-estrutura que passam por estradas, aeroportos, rede hoteleira, estádios, ginásios, campos, segurança, saúde, transporte público…

O mesmo é importante para o Rio de Janeiro, que ao menos teve uma grande experiência ao sediar os Jogos Panamericanos de 2007. Mas um projeto para o país é algo bem diferente de um projeto para uma cidade, vale dizer!

Como país-sede, temos vaga garantida nos eventos esportivos. No caso das Olimpíadas de 2016, poderemos ter delegação completa para todas as modalidades. Normalmente, isso facilita o bom desempenho dos países-sede. Como vimos, a China teve seu projeto bem-sucedido em Pequim 2008, vencendo os EUA e se colocando finalmente como grande potência mundial do esporte. Nos Jogos Olímpicos de Inverno de Vancouver, o Canadá superou todas as expectativas, sendo o grande campeão em número de medalhas de ouro (14).

Como sairemos tão bem no Rio, em 2016? Nossa última participação olímpica nos deu 15 medalhas (3 ouros, 4 pratas e 8 bronzes), nos deixando na 23ª posição no quadro geral de medalhas. Melhorar MUITO ainda será pouco para se galgar até as primeiras colocações. Mas como a China conseguiu? e O Canadá?

Não vejo no Brasil hoje (e nunca vi), um projeto de Estado onde possa manter aqui suas melhores cabeças e talentos nos mundos acadêmico, técnico-científico e esportivo. Os outros países entenderam isso e passaram a não mensurar esforços para isso. Não me basearei amplamente no caso chinês, pois sabemos que é fato que o regime político vivido por eles não é democrático, o que sou contrário. Mas há certas evidências que temos que observar se quisermos progredir como país e como potência.

Vejo necessidades urgentes de atrelar o projeto da Copa e Olímpico brasileiro com a educação. Temos uma educação pública altamente defasada e um modelo educacional segregador e desigualitário. A melhoria da educação da base ao Ensino Superior forma o cidadão, informa o cidadão e constrói o atleta que cresce longe das ruas e do trabalho precoce. Além disso, vejo com muitos bons olhos a questão de bolsas estudantis universitárias para atletas que possam nos representar futuramente. Cidadania, educação e esportes devem caminhar de mãos dadas. A sociedade requer isto e precisa disto. De outra forma, teremos o aumento das assimetrias sociais, bem como a evasão de talentos, que acabam por vir a enfrentar o Brasil no futuro, representando outros países (quantos atletas de origem brasileira representam outros países que os acolheram mundo afora?).

É de responsabilidade do Estado Brasileiro, também, de educar seu povo para entender sua importância no contexto nacional e internacional que será enormemente engrandecido com estes eventos globais. O brasileiro quer se enxergar como? Como vencedor. E para isso precisa vencer dentro dos campos, mas antes de tudo fora dele. Com emprego, educação e bons serviços públicos, teremos um povo que se vê melhor, que se respeita e que saberá respeitar os estrangeiros que aqui estarão. Polícias com treinamento, salários e equipamentos defasados, péssimas condições de trabalho e alta carga de stress terão uma pressão muito maior em cima deles nessas épocas e não poderão errar. O que está em jogo é a imagem do Brasil para fora e o sentimento do brasileiro para com ele mesmo.

Do Brasil que temos ao Brasil que Queremos, em 2022, temos um grande caminho a trilhar. Mas já perdemos tempo demais se buscamos um país que seja Socialmente justo, Economicamente forte, Ambientalmente sustentável, Democraticamente estável e Eticamente respeitável. Esse fim passa por um processo de mudança e transformação e temos o poder de iniciá-lo com força agora, neste ano, em 2010. É só batalhar para eleger os homens que sejam comprometidos com o país e com sua população, investir na educação, manter forte fiscalização nos gastos com estes eventos e com o dinheiro público em geral, além de pressionar e cobrar as autoridades públicas para se esforçar ao máximo em seu trabalho para o bem-estar social e o progresso brasileiro.

É hora de destruirmos o complexo de vira-latas e sermos o país grandioso que somos. É hora de não sermos mais promessa e sermos potência de fato. É hora de construirmos o futuro, pois o futuro já começou.

Me siga no Twitter!

Entenda mais sobre a ação do crack e outras drogas

Surge, agora, uma futura esperança. Vacinas “anti-drogas”. Mas ainda são realidades longínquas. Porém, a melhor vacina que temos hoje é o trabalho sério que os governantes podem fazer nas áreas de saúde, educação e segurança. Assistam:

Veja a terceira reportagem do DFTV, de 09/10/2009, sobre o drama do vício para a família dos viciados em crack:

httpv://www.youtube.com/watch?v=8TESnhv0BGc

Me siga no Twitter!